Pesquisar Apaes

Você deseja ir para qual instituição Apae? Clique nas setas para visualizar as opções.

Estado

Unidade

Manifestação na Câmara dos Deputados pede inclusão de dados sobre autismo no censo do IBGE

Grupo quer que tema seja colocado em levantamento de 2020. Previsão é de que isso só ocorra em 11 anos.

Manifestação para inserir autismo no censo de 2020 — Foto: Viviane Guimarães/Arquivo pessoal

 

Entidades que lutam pelos direitos das pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) promoveram, nesta terça-feira (2), na Câmara dos Deputados, uma manifestação pela aprovação do projeto de lei complementar 139/2018. A proposta prevê a inclusão, nos censos demográficos, de informações específicas sobre pessoas com autismo.

O texto do projeto determina que estes dados sejam levantados por questionário do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no próximo ano. Sem a aprovação da proposta, no entanto, essas questões só poderão ser perguntadas no censo demográfico de 2030.

De autoria da deputada federal Carmen Zanotto (Cidadania), o projeto passou por comissões da Câmara e estava na ordem do dia no plenário do Senado em 25 de junho.

Lei garante direito a autistas, mas nem sempre a legislação é cumprida na prática

Porém, o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB) apresentou requerimento para que fosse realizada uma audiência pública sobre a matéria na Comissão de Assuntos Sociais (CAS).

Segundo a vice-presidente do Movimento Autista do Brasil, Viviane Guimarães, o Brasil não tem uma estatística oficial do número de autistas na população, o que dificulta a formulação de políticas públicas.

"O que temos é uma estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS), que calcula que 2 milhões de brasileiros sejam autistas. Aparentemente, esta é uma questão que está cada vez aumentando mais, e o Censo ajudaria bastante", afirma Viviane.

Impasse no IBGE

Segundo a deputada Carmen Zanotto, o IBGE tinha conhecimento da proposta, mas representantes do órgão alegam que não têm como incluir as perguntas sobre o tema no próximo questionário. O IBGE já havia informado em abril deste ano que, por corte de gastos, iria reduzir o questionário do Censo 2020 em 25%.

Questões cortadas do Censo incluem posse de bens, rede de ensino e discriminação de fontes de renda

Uma ideia apresentada pelos manifestantes é que a coleta de dados sobre autismo não seja realizada através do censo, como propõe o projeto, e sim pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD).

A parlamentar, no entanto, acredita que este não seria um retrato fiel da situação, já que o PNAD traz apenas números de capitais e regiões metropolitanas.

Políticas mais efetivas

Para o Movimento Autista do Brasil, com dados concretos, seria possível tratar melhor as políticas públicas destinadas às pessoas com o transtorno de espectro autista (TEA).

"Não podemos esperar mais dez anos para ter um melhor levantamento sobre a população autista do país. Vamos continuar lutando pelos direitos e pela melhoria da vida das pessoas com TEA", diz Viviane.

Manifestação para incluir autismo no censo de 2020 — Foto: Viviane Guimarães/Arquivo pessoal

 

O que é o autismo?

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) engloba diferentes condições marcadas por perturbações do desenvolvimento neurológico.

O distúrbio se manifesta por meio de três características fundamentais: dificuldade de comunicação, dificuldade de socialização e padrão de comportamento restritivo e repetitivo.

Também chamado de Desordens do Espectro Autista (DEA ou ASD em inglês), recebe o nome de espectro (spectrum) porque envolve situações e apresentações muito diferentes umas das outras, numa gradação que vai da mais leve à mais grave. Todas, porém, em menor ou maior grau, estão relacionadas com dificuldades de comunicação e relacionamento social.

O TEA pode ser classificado em:

Autismo clássico: grau de comprometimento pode variar de muito. Geralmente, os indivíduos ficam fechados no próprio mundo, não costumam fazer contato visual e falam pouco. Também têm dificuldades de compreensão e não entendem metáforas ou duplo sentido;

Autismo de alto desempenho (também chamado de síndrome de Asperger): portadores apresentam quadro similar ao dos outros autistas, mas de forma reduzida. Falam mais e são inteligentes, capazes de se tornarem especialistas naquilo que se dedicam.

Distúrbio global do desenvolvimento sem outra especificação (DGD-SOE): nesses casos, o diagnóstico é mais difícil porque os indivíduos apresentam sinais de autismo, mas não suficientes para enquadrá-los nas outras duas categorias.

Por muito tempo, o autismo foi considerado uma condição rara, que atingia uma em cada 2 mil crianças. Hoje, as pesquisas mostram que uma em cada 100 crianças (algumas pesquisas indicam que o transtorno é ainda mais frequente) pode ser diagnosticada com algum grau do espectro, que afeta mais os meninos do que as meninas.

Leia mais notícias sobre a região no G1 DF.

 

Fonte: G1-DF

Endereço:
Av. Silva Jardim, 4326 • Curitiba • PR
E-mail:
[email protected]
Telefone:
(41) 3343